O dia 13 de maio foi o momento escolhido pela TPF Engenharia para a realização de mais um Colégio de Líderes. Realizado no Recife, membros da gerência e diretoria de todo o Brasil participaram do evento, que teve suas duas últimas edições feitas de maneira remota. Com a flexibilização das medidas de distanciamento social e a diminuição dos casos de covid-19, e com muita cautela, foi possível dar mais um passo importante para a TPF, juntando toda a liderança para conversar frente a frente sobre os resultados obtidos em 2021, os principais contratos conquistados e o que se planeja para o desenrolar de 2022.

A abertura do evento foi feita pelo CEO João Recena, abrindo uma reflexão sobre todo o processo de tomadas de decisão em relação ao período de pandemia. Além da ‘virada de página’ destacada por Recena, também foi tema o ‘mantendo a rota’: continuar com o bom desempenho, assim como o tido em 2021, e a importância da abordagem ESG nas atividades da TPF.

“O bom resultado depende de 3 coisas: competência e muito trabalho, e não podemos esquecer que temos muita sorte”.

João Recena, CEO da TPF Engenharia

Apresentação de João Recena

Ricardo Carvalho, Diretor da Unidade Recife, trouxe os números de faturamento, destacando que 2021 foi um ano “espetacular, pra ficar marcado na história da empresa”. O Diretor de Gestão e Finanças da TPF Engenharia, Eduardo Scalia, apresentou o perfil de líder presente na TPF, e os feitos recentes, alcançados graças a um trabalho em equipe e uma liderança de excelência. Alguns desses feitos foram apresentados no evento. Foram eles:

– Os desafios de realizar em 12 meses o estudo de viabilidade da Nova Ferroeste, apresentado pelo Diretor da Unidade São Paulo André Jabir;

– A entrega em 100 dias dos projetos de melhoria da ETE Barra da Tijuca, projeto apresentado pelo Diretor de Desenvolvimento Rogério Dias;

– O plano de gestão de recursos hídricos da Bacia do Paraguai, contrato internacional conquistado pela TPF, com coordenação de Marcelo Casiuch. O plano é gerido no Brasil pela ANA (Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico) e tem financiamento do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento);

– O estudo de mobilidade urbana da cidade de Maceió (AL), e a conquista da renovação de contrato com o CCO (Central de Controle Operacional) de Zeladoria Urbana da Emlurb, geridos pela Diretora de Desenvolvimento Ana Augusta Campos;

– O projeto de gerenciamento do Sistema Adutor de Banabuiú (CE), apresentado pelo Diretor da Unidade Fortaleza, Adonai Porto. A obra será a primeira do Brasil a ter seu projeto regido pela metodologia Yellow Book. No Ceará, a TPF Engenharia atuou e atua em projetos que dão conta de ao menos 50% da vazão que abastece todo o estado.

Apresentação de Ricardo Carvalho
Apresentação de Eduardo Scalia
Apresentação de André Jabir
Apresentação de Rogério Dias
Apresentação de Marcelo Casiuch
Apresentação de Ana Augusta Campos
Apresentação de Adonai Porto

Além dos projetos-destaque, outras iniciativas de gestão foram apresentadas, como o Planejamento, monitoramento e controle das atividades da produção, o uso do PLUG (Plataforma Única de Gerenciamento) nos trabalhos em desenvolvimento na cidade de Petrolina (PE), as atualizações no Sistema de Gestão da Produção da TPF, e as estratégias de Recursos Humanos.

Concluindo o Colégio de Líderes, o pilar inovação trouxe os fundamentos da TPF S/A sobre a Indústria 4.0, alguns já em desenvolvimento nos trabalhos da TPF Engenharia, como o BIM (Building Information Modelling); e os prêmios recebidos pela empresa recentemente: o prêmio InovaInfra, com o ‘Book Civil Automatizado’ e o prêmio da FEPAC (Federação Pan-Americana de Consultores), pelo projeto de gerenciamento de instalação de mais de 50 mil cisternas no norte de Minas Gerais e no interior de Alagoas e Goiás.