• 24 ESTRUTURAS MONITORADAS
  • 2 BARRAGENS DE SEDIMENTOS ATENDIDAS

Especialidade

Mineração

Área de atuação

Consultoria

Abrangência

Pará

Período

2021 - 2023

Escopo

Prestar serviços de Engenharia de Registros para acompanhamento de 24 estruturas de disposição de rejeito, compreendendo também o monitoramento de duas barragens de sedimentos. O contrato engloba a produção de relatórios de dados técnicos e inspeções regulares e periódicas de segurança.

Em 2021 a TPF Engenharia fechou contrato de 3 anos para a realização de serviços de EoR (Engineering of Records) de 24 estruturas de disposição de rejeito, além de duas barragens de sedimentos, localizadas na Floresta Nacional de Saracá -Taquera, a 32 km ao sul do Complexo Industrial de Porto Trombetas, no estado do Pará.

Os rejeitos do processo de beneficiamento da bauxita são depositados em reservatórios, localizados em área já minerada para evitar que novas áreas sejam impactadas.

Na operação do sistema, o rejeito é bombeado da planta inicialmente com 7 a 8% de sólidos em sua composição, chegando ao final do processo com valores superiores a 55% de sólidos em sua composição.

Quando os reservatórios atingem sua capacidade final deixam de receber rejeitos. Ao final do processo, os reservatórios são descaracterizados e reflorestados, para que as áreas devolvidas voltem a ter uma conformação e aparência o mais próximo possível do ambiente original da área.

Principais Atividades

  • Relatórios mensais, onde as estruturas são inspecionadas, a instrumentação interpretada geotecnicamente e hidraulicamente, e as anomalias observadas são avaliadas conforme tabela GUT (gravidade, urgência, tendência), que ao final indica a prioridade de atendimento e a periodicidade das inspeções e avaliações;
  • Relatório de Consolidação de Dados: Este relatório compila toda a informação técnica existente do sistema;
  • Relatório de Inspeção Regular de Segurança (RISR): documento integrante da Inspeção de Segurança Regular, que compila as informações coletadas em campo e que balizará as análises técnicas sobre a estabilidade da estrutura, e será entregue ao órgão fiscalizador federal pertinente a cada 6 meses;
  • Padrão Global da Indústria para Gestão de Rejeitos (GISTM): o “padrão” preconiza uma gestão segura das estruturas de rejeito, onde devem ser atendidos 15 princípios, apoiados por protocolos de implementação que oferecem orientação para certificação.

Sobre a/o EoR

A engenheira ou engenheiro de registros (EdR) acompanha continuamente a condição de estabilidade de estruturas como barragens, diques e pilhas. De acordo com a legislação vigente, Essa/esse profissional deve ser capaz de apoiar a aplicação dos procedimentos recomendados às boas práticas de segurança, respaldado pelos regulamentos, diretrizes e normas aplicáveis no âmbito nacional e internacional. A/O EdR deverá avaliar a estrutura continuamente, emitindo relatórios, com ART, que considerem se os objetivos de desempenho, parâmetros de segurança, diretrizes, padrões aplicáveis e requisitos legais que vem sendo alcançados, considerando todo seu ciclo de vida (art.65, Res. 95).