A TPF Engenharia integrou o time de empresas participantes da primeira edição do Hackathon 2022 da Escola de Engenharia da Universidade Presbiteriana Mackenzie. A fim de explorar o protagonismo estudantil, o evento teve por objetivo despertar habilidades e promover a conexão entre diferentes áreas do conhecimento, além de preparar os alunos para o mercado de trabalho, fazendo-os entender que, hoje, os processos seletivos das empresas sempre buscam habilidades de operação e trabalho em equipe.

Foram cinco dias em imersão, encarando problemas reais das engenharias, combinando habilidades de trabalho em grupo, liderança e criatividade, além de desenvolver seu conhecimento e habilidades técnicas de forma colaborativa.

1.455 alunos foram distribuídos em 389 equipes no Hackathon 2022 em 30 grupos de trabalho, envolvendo os seis cursos da Escola de Engenharia e alguns da Faculdade de Computação e Informática (FCI) da Mackenzie. Os participantes apresentaram soluções que vão desde a ideação, prototipação, validação de conceitos, análise de viabilidade, até a apresentação de um pitch.

O Hackathon 2022 trouxe 13 desafios de 11 empresas parceiras. Foram 177 inscritos para a proposta da TPF Engenharia, que lançou para os estudantes o desafio ‘Tomada de decisão para critérios de escolha de traçado de ferrovia: como tomar a decisão de quais são os critérios mais importantes para o traçado de uma nova ferrovia? Qual metodologia justifica, matematicamente, a escolha do traçado?’. Ao longo dos 5 dias, mentorias da TPF foram ofertadas em formato híbrido, com colaboradores de Recife, Curitiba e São Paulo participando do processo.

TPF Engenharia integrou time de empresas participantes da primeira edição do Hackathon da Escola de Engenharia da Universidade Mackenzie
TPF Engenharia integrou time de empresas participantes da primeira edição do Hackathon da Escola de Engenharia da Universidade Mackenzie
Desafio da TPF: Tomada de decisão para critérios de escolha de traçado de ferrovia
TPF Engenharia integrou time de empresas participantes da primeira edição do Hackathon da Escola de Engenharia da Universidade Mackenzie
TPF Engenharia integrou time de empresas participantes da primeira edição do Hackathon da Escola de Engenharia da Universidade Mackenzie

Os critérios de avaliação da TPF levaram em consideração as características técnicas e operacionais da solução, o custo estimado de implantação, os aspectos socioambientais e a avaliação dos riscos do projeto. Após as devidas análises, a comissão avaliadora decidiu por premiar a equipe intitulada Reggaeton, formada pelos estudantes Gabriel Antunes Fernandes, Caetano José Cardoso Soares, Jadson Medeiros do Lago Filho, Rodrigo Souza Marcondes, Felipe Sanches Monteiro e João Pedro Medeiros Reis.

Premiação do desafio da TPF Engenharia à equipe Reggaeton no Hackathon da Universidade Mackenzie
Premiação do desafio da TPF Engenharia à equipe Reggaeton no Hackathon da Universidade Mackenzie

As equipes vencedoras dos desafios serão presenteadas com prêmios variados de cada empresa, tais como visita às fábricas, brindes, vouchers, Kindle e diferentes cursos de capacitação.

“A TPF participou diretamente e manteve contatos (pessoalmente ou online) com os alunos durante todo o evento. As atividades em parceria com a TFP já estão consolidadas na Escola de Engenharia do Mackenzie e temos expectativas de contar com vocês em outros eventos e atividades, considerando que os resultados estão sendo todos positivos”, declarou a professora do curso de Engenharia de Produção da Mackenzie, Maria Célia de Oliveira.

Além do Hackathon, a TPF está realizando com a Universidade Mackenzie o Projeto Integrador. Desde o semestre passado, a parceria firmada com o curso de Engenharia de Produção desenvolve um trabalho sobre ferramentas para melhoria de processos de produção de projetos. A primeira experiência contou com alunos que estavam nos semestres iniciais e atualmente o grupo conta com alunos em semestres mais avançados. São realizadas reuniões semanais de 40 minutos às terças-feiras com a participação dos estudantes, a professora Maria Célia e o time da TPF, composto por Lorena Oliveira, Ana Carolina Bonfim e Thiago Almeida.

Digo com toda certeza que foi algo que me trouxe muito aprendizado. Até então, eu não conhecia essa área da Engenharia Consultiva, e não sabia como ela funcionava. Assim, foi muito gratificante poder adquirir esse conhecimento, bem como, de ter tido essa oportunidade de experimentar a metodologia de análise que deve ser feita para uma tomada de decisão no âmbito da Engenharia Consultiva. 

João Pedro Medeiros Reis, estudante de Engenharia de Produção e integrante da equipe Reggaeton